fbpx

Blog

As Posturas de Satir – Relações Humanas

Durante todas nossas relações, estamos assumindo diferentes papéis, ou posições. Enquanto estamos em cada uma dessas posições, nosso corpo se move, age e se sente de uma determinada forma. Neste artigo falaremos sobre as Posturas de Satir. São algumas posições chave que foram observadas em relações familiares. Importante esclarecer que essas posturas ocorrem em qualquer tipo de relação, podendo ser estendida, inclusive às relações num ambiente de trabalho.

Essas Posturas de Satir são baseadas nos estudos da Terapeuta Familiar Virginia Satir, que foi estudada pelos criadores da PNL Richard Bandler e John Grinder. Sua habilidade era inigualável para se comunicar de forma efetiva com as pessoas e solucionar problemas.

A terapia familiar é uma forma sistêmica de observar e interferir em interações, e é essencial que o terapeuta consiga saber quais são os papeis que cada pessoa está assumindo na relação, para que isso possa se esclarecer e identificar formas de se resolver. Como este artigo não é sobre Terapia Familiar, tampouco voltado para terapeutas nesta área, não utilizaremos jargões.

O foco aqui é utilizar essas informações para as nossas próprias relações, trabalho, família, etc.

Primeiro vamos entender um pouco sobre os papéis que mencionei. Numa conversa com um funcionário, eu posso assumir um papel de alto status, isso significa que eu tenho uma crença (consciente ou não) de que tenho mais status que essa pessoa (naquela interação), naturalmente meus pensamentos fluirão acompanhando essa crença. Como nossos pensamentos geram emoções e sensações internas, eu vou me sentir mais confiante e seguro na relação com aquela pessoa, e meus movimentos corporais vão acompanhar a forma que estou me portando na situação.

Esses gestos inconscientes podem ser aceitos ou não pela outra pessoa, também de forma inconsciente. Se forem aceitos, ela vai se portar como alguém com status menos elevado, sua comunicação, pensamentos, sensações internas e gestos também irão acompanhar este papel. Se numa outra comunicação essa mesma pessoa tiver mais status que outra pessoa, pode ser que os papéis “se troquem” e ela assuma a posição de alto status.

Geralmente estamos assumindo algum papel nas interações, por exemplo, quando atacamos alguém, a tendência é que a outra pessoa assuma um papel mais defensivo ou que ataque de volta. (Tudo vai depender da programação interna daquela pessoa, que irá determinar qual é o conjunto de comportamentos adequados quando alguém está sendo “agressivo”).

Se nossa comunicação for percebida como amigável pela outra pessoa, ela vai se comportar de uma forma completamente diferente (e se sentir diferente, pensar diferente, etc.) do que ela se comportaria se estivesse sentindo que você está sendo julgador, ameaçador ou agressivo, por exemplo.

Foram percebidos cinco desses papéis chave, que ocorrem nos contextos familiares, sendo que os primeiros quatro criam problemas ou impedem os problemas de serem resolvidos, e apenas um deles auxilia na resolução de problemas. É aqui que um bom terapeuta familiar iria gerar intervenção, identificando em que momentos cada pessoa assume cada papel e fornecendo recursos para que a situação problema seja modificada. Lembrando que esses papeis se repetem em qualquer tipo de sistema no qual as pessoas interagem.

As cinco categorias abaixo podem ajudar a entender como as pessoas estão se comunicando, e o que provavelmente elas estão sentindo nestes momentos, são algumas generalizações, portanto, não entenda isso como uma verdade absoluta que sempre ocorre desta forma. Entender estas Posturas de Satir também podem te ajudar a fazer sua comunicação ser mais congruente com a mensagem que você quer transmitir.

As cinco categorias das Posturas de Satir

Acusador – Essa postura costuma encontrar erros e culpados, em geral não aceita a responsabilidade das coisas que estão ocorrendo. Estão sempre culpando aos outros ou alguma coisa. O acusador tem uma sensação de alienação e solidão por trás dos pensamentos. Geralmente são quem iniciam os conflitos.

Em geral esse papel é demonstrado pela postura curvada para a frente, diminuindo o espaço entre ele e seu interlocutor. Dedos apontados para cima (indicando risco de ataque) ou apontados para a pessoa (demonstrando algum tipo de ataque). Cabeça um pouco para baixo e sobrancelhas também.

Apaziguador – Esse é um perfil com tendência mais passiva e não assertiva. Nunca discordam diretamente e estão constantemente procurando aprovação. Eles evitam conflito, muitas vezes colocando “panos quentes”, mas raramente fazendo a situação se resolver.

Em geral a postura corporal do apaziguador é com as mãos espalmadas para cima, corpo virado para o interlocutor, pernas na largura dos quadris, levemente abertas e pés apontados para frente.

Super razoável – Essa é uma postura de uma pessoa que se mostra correta e age de forma apropriada, porém demonstrando pouca ou nenhuma emoção, talvez mascarando uma sensação de vulnerabilidade. Uma pessoa lógica, que pensa e avalia as situações. Em geral eles parecer ser frios e distantes, mas podem ter excessivas emoções reprimidas. Em geral eles fazem juízos de valores, sem indicar detalhes sobre esse juízo, ou seja, soltam frases como se fossem verdadeiras e implicando que todos concordam com essas frases.

As posturas corporais que demonstram esse tipo de papel são postura ereta e levemente curvada para trás, se estiver em pé, o peso do corpo será colocado na perna que manterá o corpo mais distante do interlocutor. Braços cruzados ou um braço sustentando o outro, enquanto o outro sustenta o queixo.

Irrelevante – busca atenção através do humor ou de outras emoções. Pode ser que esteja usando esses artifícios para compensar sensações de solidão ou inadequação. Eles podem utilizar emoções como raiva ou culpa para manipular a forma como os outros se sentem, tirando o foco de um problema central. Pode ser que essa postura se combine em vários momentos com o Acusador e o Super Razoável.

As posturas corporais podem ter diversos ângulos do corpo, de acordo com a variação de emoções e movimentos. Em geral sorrindo ou com uma sobrancelha levantada.

Nivelador – é um perfil que passa credibilidade, confiança e honestidade. Está confortável sendo ele mesmo, pois não tem nada a esconder. Consegue se relacionar com diversos tipos de pessoas, são assertivos. Tem um foco em previsão ou resolução de problemas (depois que os problemas acontecem).

É bom para trazer as pessoas para junto, resolver conflitos.

Em geral as posturas são simétricas, palavras, tom de voz e linguagem corporal passam a mesma mensagem. Se estiver sentado numa mesa, as mãos estão com as palmas para baixo e os dedos relaxados. Braços levemente mais largos que o corpo. Ombros, pernas e corpo na direção do interlocutor e pernas na largura do quadril. Cabeça na vertical e expressão relaxada.

Essas são as definições de cada um dos tipos das Posturas de Satir, com algumas previsões ou generalizações sobre o tipo de papel assumido. É importante ter o discernimento de que essas não são regras para todas as pessoas que estão desempenhando um destes papeis.

Importante também ter consciência que as pessoas podem, em situações diferentes assumirem papéis diferentes, portanto, não fique tentando “classificar” as pessoas que você conhece como sendo aquela postura. Na terapia familiar, uma das técnicas utilizadas é fazer uma “festa” na qual cada uma dessas partes interagem entre si, para solucionar problemas ou conflitos internos e externos.

A principal recomendação aqui é tomar conhecimento das nossas próprias atitudes, identificando nas Posturas de Satir, qual estamos assumindo em cada momento, trazendo consciência para isso e modificando as negativas, para fortalecer as relações familiares e profissionais.

Algumas habilidades que você vai querer desenvolver são:

-Procurar pela solução dos problemas (Ao invés de ficar procurando culpados ou remoendo o problema);

-Ter um propósito positivo em tudo o que fazem (não estão tentando prejudicar os colegas ou gerar atrito, conflitos ou emoções negativas nos colegas);

-Ter crenças positivas e firmes sobre si mesmo e sobre os outros;

-Operar através de valores pessoais positivos;

-Ter pensamentos e imagens internas positivas e possibilitadoras;

-Ter flexibilidade de comportamento quando interage e se comunica com os outros;

-Estabelecer Rapport (harmonia na relação) antes de tentar sair influenciando os outros;

-Possuir inteligência emocional.

Você pode utilizar técnicas de PNL para “instalar” essas características em você.